15/02/14

DE VOLTA AO BLOG!!

Estou iniciando uma nova  fase em minha vida e quero dividir com vocês as novidades que irão surgir ao longo deste caminho.

Vamos conhecer o fascinante mundo pedagógico de Maria Montessori junto a Escola de Ensino Fundamental Constructor. Bem vindos a bordo!!!!


A Constructor segue a teoria de ensino aprendizagem criada por Maria Montessori que objetiva a formação integral da criança, uma "educação para a vida."




10/08/13

Síndrome de Crouzon

A síndrome de Crouzon, também conhecida como disostose crânio-facial tipo I, é uma doença rara de origem genética, caracterizada por comprometer o desenvolvimento do esqueleto crânio-facial.
Quando os pais são portadores do gene defeituoso, estes apresentam 50% de chance de transmiti-lo à prole. Existem estudos que levantam a hipótese dessa doença estar relacionada com a idade paterna avançada
Foi descrita pela primeira vez, no ano de 1921, por Octave Crouzon, que definiu a presença, na doença, da tríade de deformidades cranianas, alterações faciais e exoftalmia. Assim como outras síndromes (a de Apert e Pfeiffer, por exemplo), a síndrome de Crouzon encontra-se no grupo das craniossinostoses, que apresentam como característica a fusão sutural prematura de forma isolada ou em associação com outras anomalias. A síndrome em questão pode ser distinguida da simples craniostenose pela sua relação com malformações faciais.
Pode também estar presente nessa síndrome relativo retardo mental. Vários fatores encontram-se relacionados com seu desenvolvimento neuropsicológico, como: a existência da hipertensão intracraniana (HIC); fatores que dizem respeito ao ambiente no qual a criança encontra-se inserida e os estímulos que ela recebe podem representar um papel fundamental em seu desenvolvimento; o desenvolvimento morfológico do sistema nervoso central pode apresentar distintos tipos de alterações, como malformações ventriculares, malformações de Chiari, entre outras.
Os pacientes portadores da síndrome de Crouzon apresentam fronte larga, com abaulamento na região da fronte anterior, achatamento da região occiptal e relativa protuberância fronto-occipital. Isto confere ao crânio um aspecto de torre. A maxila é hipoplásica (prognatismo), além de hipoplasia centrofacial e maxilar, levando a uma má oclusão dentária. Alguns indivíduos podem apresentar estreitamento do palato duro, fenda palatina ou úvula bífida. O lábio superior apresenta-se curto e o lábio inferior, em associação com a língua, são proeminentes.
O prejuízo auditivo se dá em conseqüência da deformação da orelha média, além de outras alterações das estruturas internas do ouvido.
O nariz possui aspecto adunco, ocasionado pela salientada hipoplasia dos maxilares, lembrando um “bico de papagaio”. A obstrução das vias aéreas superiores é secundária ao desvio de septo, anormalidades no centro das narinas e estenose rinofaríngea. Estas alterações do aparelho respiratório podem resultar em angústia respiratória aguda, dispnéia do tipo polipnéia, e também, apnéia do sono.
Os problemas oculares são variados, sendo os mais comuns as órbitas rasas, proptose ocular bilateral, hipertelorismo, estrabismo divergente, atrofia óptica, conjuntivite ou ceratoconjuntivite de exposição e redução da acuidade visual. Em raros casos podem estar presentes nistagmo, coloboma da íris, anisocoria, microcórnea ou megalocórnea, catarata, glaucoma, esclerótica azul e luxação do globo ocular.
O diagnóstico precoce é fundamental para que sejam alcançados resultados melhores, evitando a HIC e conseqüentes problemas visuais. Deste modo, o histórico de doença na família é importante.
As radiografias cranianas são utilizadas para evidenciar deformações craniofaciais, moderada braquicefalia, impressões cerebriformes, alargamento da fossa hipofisária, seios paranasais reduzidos e hipoplasia da maxila.
O tratamento desta doença é multidisciplinar. Existe a opção do tratamento cirúrgico, altamente complexo e que envolve diversas etapas.
Oferecer qualidade de vida aos pacientes portadores dessa síndrome é o objetivo da abordagem terapêutica, sendo assim, o tratamento sintomático e de suporte com próteses auditivas, fonoterapia, fisioterapia, psicopedagogia, orientação familiar, aconselhamento genético, ensino da fala, leitura labial, escola especial cooperam na busca de uma melhor qualidade de vida.
Fontes:
http://www.concursoefisioterapia.com/2010/01/sindrome-de-crouzon.html
http://saude.culturamix.com/doencas/sindrome-de-crouzon
http://www.arquivosdeorl.org.br/conteudo/acervo_port.asp?id=552
http://www.scielo.br/pdf/anp/v65n2b/20.pdf
http://www.revistamedicaanacosta.com.br/10(4)/artigo_4.htm

Autismo e educação

Inicialmente, o termo autismo foi implantado por Bleuler (1911), ligado à sintomatologia abrangente que ele havia estabelecido para unificar, através da esquizofrenia, o campo das psicoses. O autismo era chamado “dissociação psíquica”, que se referia ao predomínio da emoção sobre a percepção da realidade.

Ao longo das décadas de 70 e 80, o autismo passa a ser visto, predominantemente, como um distúrbio cognitivo. Nessa época, ele deixa de ser considerado como uma condição envolvendo basicamente retraimento social e emocional, e passa a ser concebido como um transtorno do desenvolvimento envolvendo déficits cognitivos severos com origem em alguma forma de disfunção cerebral.
O autismo não é considerado, hoje, um estado mental fixo, irreversível e imutável, mas o resultado de um processo que pode, ao menos em parte, ser modificado por meio de intervenções terapêuticas. Ele não pode ser causado por fatores emocionais e/ou psicológicas. As evidências apontam para a multicausalidade. Descobertas recentes apontam a possibilidade de o autismo ser causado por uma interação gene-ambiente.
As crianças autistas têm um repertório muito limitado de comportamento, ou seja, fazem realmente poucas coisas. Isso sem dúvida é um dos motivos que leva as dificuldades de aprendizagem. Algumas delas são:
  • Dificuldade de atenção: algumas crianças são incapazes de se concentrar, mesmo por poucos segundos. Para superar esta dificuldade, é necessário planejar situações de ensino estruturadas, dividindo em pequenos passos e metas o que elas devem aprender. Também possuem dificuldades em reconhecer a relação espaço-temporal entre acontecimentos que se inscrevem dentro da mesma modalidade sensorial.
  • Dificuldades de raciocínio: muitas vezes elas aprendem mecanicamente, sem compreender a essência ou significado do que queremos que aprendam. O planejamento de tarefas pode evitar essa mecanização, acentuando o que realmente é significativo para elas.
  • Dificuldade de aceitação dos erros: frequentemente deixam de responder às chamadas de atenção e ordens, baixando o nível de atenção. Dessa forma, a aprendizagem não se produz. Para que isso não ocorra é preciso habituá-los a adaptarem-se a situações cada vez menos gratificantes.
Algumas estratégias podem ser utilizadas no dia-a-dia para solucionar esses problemas, tais como: criar situações de faz-de-conta que despertem o interesse da criança; usar bonecos para representar a família; criar soluções simbólicas para ajudar a resolver os problemas; encorajar a investigar pistas e sinais; e modelar/mediar uma sequência do que se deve fazer; introduzir palavras que a criança se interesse para que, posteriormente, ela possa construir frases com elas.
Os educadores devem desenvolver um programa de educação individualizado para focalizar nos problemas específicos da criança. Isto inclui terapia de fala e do idioma, e também habilidades sociais e treinamento de habilidades cotidianas. Eles devem elaborar estratégias para que essas crianças consigam desenvolver capacidades de poderem se integrar com as outras crianças ditas “normais”.
Referências:
BAUTISTA, Rafael. Necessidades Educativas Especiais. 2ª edição. São Paulo: Dinalivro, 1997.
BERQUEZ, G. O autismo infantil e Kanner. In: LEBOVICI, S.; MAZET, P. Autismo e psicoses da criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
http://www.infoescola.com/pedagogia/educacao-de-criancas-autistas/

25/10/12

TRABALHANDO HISTÓRIAS EM QUADRINHOS

Estamos trabalhando o tema história em quadrinho. O assunto  foi escolhido pelos alunos, que vinham no decorrer do início do segundo trimestre produzindo mesmo sem muito ocnhecimento gibis em sala de aula. Como trabalho em uma turma de turno integral, temos a oportunidade de realizar temas de estudo de maneira mais lúdica e criativa.
Surge então o tema: O fantástico mundo das histórias em quadrinho.
Começamos pela abordagem do surgimento da escrita já que sem ela não haveriam histórias em quadrinhos, depois passamos para a histórias dos gibis, uma linha do tempo que abordou datas importantes para o reconhcimento e valorização dos HQ´S no mundo.
Obviamente que não poderiamos deixar de abordamos, Mauricio de Sousa e sua fantástica Turma da Mônica. Então, pesquisamos sobre o surgimento desta turma, seus diferentes estilo e idades.
Conhecemos um pouco mais sobre a Turma da Mônica Criança, depois pesquisamos sobre a Turma da Mônica Baby e por último mas não menos importante a Turma da Mônica Jovem.
Descobrimos que a turma começou com o Bidu, depois surgiu o Cebolinha para depois surgir Mônica.
Outra descoberta interessante, os personagens da turma são inspirados em pessoas reais, muitos deles nos filhos do proprio Mauricio e um deles Mauricio foi sua propria inspiração.
Durante o trabalho deste tema de estudo os alunos foram criando afeições maiores por determinados personagens e por afinidade cada um escolheu um personagem da turma para representrar.
Partindo dessa afinidade cada aluno irá pesquisar sobre as caracteristicas de quem escolheu e ao final deste trabalho faremos uma palestra para pais e colegas do turno integral para contarmos a eles o que descobrimos.
Uma outro atividade que irá culminar neste momento de palestra é a mostra de trabalhos. Nela os alunos irão apresentar aos pais o Almanaque da Nossa Turma, com histórias em quadrinhos criadas por eles no Núcleo de Informática e customizadas através do Scraap Book por cada um deles.
Acredito que cada aluno conseguiu absorver da melhor maneira o tema abordado e irá carregar consigo essas vivências ludico-pedagógicas dentro da mente e do coração.

07/07/12

Gripe A

O jornal zero-hora publicou esta semana uma matéria sobre os cuidadosque tevemos ter com as crianças para evitar a gripe A. O colégio Lasalle Santo Antônio serviu de exemplo e teve uma sua foto publicada em função do trabalho que a auxiliar de enfermagem Juliana Bavaresco realiza na escola para ensinar os alunos quais os procedimentos que devem ser realizados para previnir a gripe A. Veja a reportagem completa.

Escolas investem em orientações aos alunos para conter avanço da gripe A

Doença que já causou 15 mortes em 2012 no Estado deixa pais em alerta.


O maior número de mortes por gripe A desde a pandemia de 2009 colocou os pais gaúchos em alerta e mobilizou as escolas. Até quinta-feira, havia 15 vítimas confirmadas no Estado, contra 14 do ano passado.

Como as vacinas estão restritas na rede pública e são limitadas nas clínicas privadas, os estabelecimentos de ensino estão apostando na prevenção e levando o tema para dentro da sala de aula. No Colégio Farroupilha, as medidas incluem a troca dos bebedouros, privilegiando um modelo no qual só é possível abastecer por copo ou garrafa, para evitar o contato de bocas com o cano de saída de água.

Os alunos são orientados a ir bem agasalhados, porque janelas ficam abertas para garantir a ventilação das salas. Os seis funcionários do centro de saúde da escola viraram missionários antigripe, repetindo os mantras preventivos a cada oportunidade.

— Não adianta dizer uma vez só. Se entramos em uma aula para fazer algo, já aproveitamos para falar de gripe A. Trabalhamos muito com as crianças menores, porque elas cobram o comportamento correto dos mais velhos e dos professores. Elas são os meus fiscais — diz a pediatra Simone Napoleão, médica do Farroupilha.

No Colégio La Salle Santo Antônio, a auxiliar de enfermagem Juliana Bavaresco realizou palestras nas turmas de 1ª a 5ª série e dá início, agora, ao trabalho com a Educação Infantil. Para atingir melhor esse público, ela produziu materiais especiais, apostando em vídeos e música. Na tarde de quinta-feira, testou-os com alunos de quatro anos.

— Trabalho muito a questão do contato entre as crianças, que é difícil de evitar, porque ele ocorre desde a fila da entrada até a hora de ir embora — diz Juliana.

A ação das escolas responde a uma preocupação crescente dos pais, que se mostram mais alarmados à medida que novas mortes são confirmadas. O Farroupilha, por exemplo, havia feito no começo de abril um convênio para oferecer vacina com desconto.

A procura foi baixa. No final do mês, repetiu a experiência. Mais gente se vacinou, mas ainda em nível inferior ao registrado no ano passado. Só nas últimas semanas as famílias despertaram. Na quinta-feira, Simone Napoleão recebeu quatro mães assustadas.

— O que eu noto é que, neste ano, as pessoas relaxaram na vacinação. Agora, por causa dos casos, estão muito preocupadas — diz a médica.

SEC emite nota à rede estadualAs creches e as turmas de educação infantil são encaradas como o grande desafio para a prevenção da gripe A na rede estadual de ensino. Na nota encaminhada a todos os estabelecimentos da rede, a Secretaria Estadual da Educação dedicou um tópico específico às providências que devem ser tomadas nas turmas de pré-escola.

Segundo Maribel Guterres, responsável pela assessoria de saúde escolar da secretaria, as crianças menores se tocam muito e compartilham brinquedos, o que pode ampliar o risco de transmissão.

— Estamos orientando os cuidadores a lavar as mãos das crianças e a higienizar os brinquedos — afirma.

A nota técnica foi encaminhada às coordenadorias regionais de educação. A secretaria recomenda que os alunos com sintomas permaneçam sete dias em casa. No caso dos menores de 12 anos, o período de afastamento sugerido é de 14 dias.

As escolas também são chamadas a oferecer álcool para higienização e lixeiras com acionamento por pedal. Segundo Maribel, as escola devem usar suas verbas próprias para esse fim.

fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/bem-estar/noticia/2012/07/escolas-investem-em-orientacoes-aos-alunos-para-conter-avanco-da-gripe-a-3812979.html

Obax...um encanto!

Impossível não ceder aos encantos da linda história de Obax, com ilustrações expressivas e maravilhosas o livro Obax vem contar a história de uma menina que mora na savana e encontra na sua imaginação a fuga para as dificuldades que encontra em sua vida.








Neste mês realizei meu estágio de ensino fundamental e elaborei minhas atividades com base na história de Obax. Iniciamos com um momento literário e desenvolvemos as atividades sempre falando em Obax.





15/06/12

RIO +20



Com a ideia de promover a implementação de planos de progresso para a parte econômica, social e ambiental, a Rio +20 prevê os resultados dos países para o desenvolvimento sustentável e erradicação da miséria nos países emergentes.
Os temas centrais são ‘economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza’ e ‘moldura institucional para o desenvolvimento sustentável’, e ao menos 115 líderes irão tratar os temas na conferência, abordando ramificações para tratar de todos os temas com amplitude.

FESTA JUNINA CHEGANDO!!!!


É praticamente impossível pensar no mês de junho sem lembrar das festas juninas. Quem ainda não se contagiou pelo clima festeiro do São João?
Fogueiras, balões, bandeirinhas colorida, a quadrilha, comidas típicas como canjica, pé-de-moleque, quentão, entre outros, fazem parte dessa festa que já contagio o Brasil todo.
O ciclo das festas juninas gira em torno de três datas principais; 13 de junho, festa de Santo Antônio; 24 de junho, São João e 29 de junho, São Pedro.
Então não podemos deixar de trabalhar com nossos alunos essa temática tão importante.

SUGESTÕES DE ATIVIDADES:


TRABALHE RECEITAS TÍPICAS

QUEIJADINHA
Ingredientes:

2 copos de açúcar

½ litro de leite

4 ovos
100g de queijo ralado
100g de coco ralado
2 colheres (sopa) bem cheias de farinha de trigo

1 colher (sopa) de manteiga
Preparo:
Bata no liquidificador: o açúcar, o leite, os ovos, o queijo ralado, o coco ralado, a farinha de trigo e a manteiga. Despeje a mistura na assadeira bem untada e levar ao forno pré-aquecido até dourar, aproximadamente 30 minutos. Desenforme frio. Corte em quadradinhos e polvilhe com açúcar.


CANJICA
INGREDIENTES
1kg de canjica de milho (branca ou amarela)
2 latas de leite condensado
1 lata de creme de leite sem soro
1 lata de leite de coco (aproximadamente 250 ml)
250g de coco ralado molhado
1 litro e 1/2 de leite integral

MODO DE PREPARO:
1º Lave a canjica em água corrente.
2º Cozinhe na panela de pressão por 2 horas com água. Tire a tampa da panela, deixe secar bem a água. Quando estiver com o caldo grosso, passe para outra panela grande e coloque o leite (o leite tem que estar na temperatura ambiente).
3º Coloque as 2 latas de leite condensado, o creme de leite, a lata de leite de coco e por último o coco ralado molhado. Mexa bem durante o cozimento para não grudar no fundo da panela.
4º O ponto final do cozimento será quando a canjica estiver bem grossa. Deixe esfriar e sirva.

VESTIMENTA:

DECORAÇÃO:



Podemos trabalhar esta data de maneira bastante lúdica trazendo para sala de aula imagens, objetos, alimentos típicos e basear nossas atividades pedagógicas, como as histórias matemáticas, leitura e interpretação de texto seguindo esta mesma temática.

10/06/12

Atividades do projeto o universo recebe a visita das chapeuzinhos.


Na turma do 3º do Turno Integral do colégio La Salle Santo Antônio, estamos trabalhando o Universo e o clássico Chapeuzinho Vermelho.

Visando explorar o universo os alunos fizeram pesquisas sobre as características dos planetas bem como do sol e da lua.

A partir desta temática, procuramos saber mais sobre foguetes, ônibus espacial, astronautas e satélites.

Nas rodas de conversa os alunos trocaram informações significativas a respeito do tema trabalhado, contribuindo significativamente para o desenvolvimento deste projeto.

Com base nas informações adquiridas anteriormente o grupo reproduziu o sistema solar e expressou sua arte através da releitura da obra Noite Estrelada de Vicent Van Gogh1.

Em outros momentos os alunos tiveram contato com releituras do clássico Chapeuzinho Vermelho. Utilizamos Chapeuzinho Amarelo, A verdadeira história da Chapeuzinho e Chapeuzinho em prosa e poesia2. Também nos apropriamos das contribuições da releitura em DVD “Deu a louca na Chapeuzinho”.

Todo este contato inicial com as releituras tinha o intuito de instigar os alunos a escreverem sua própria história.

Então a turma mobilizou-se a reescrever Chapeuzinho Vermelho e em sua criatividade elaborou um roteiro que dará origem a uma peça teatral a qual eles deram o nome de: O universo recebe a visita das Chapeuzinhos.3

Retomando o estudo do universo, a hora do conto com o livro “Qual o sabor da lua?” resultou em uma oficina de culinária. Cada aluno produziu a sua lua de pizza e depois registrou os ingredientes e o modo de preparo.4

O livro astronauta cósmico foi o responsável pela confecção de um astronauta e seu foguete que atualmente ornamentam a nossa sala.

Nesta viajem espacial muitas coisas foram novidades para os alunos, observações mais complexas, comparações e curiosidades tornaram este projeto ainda mais interessante.

1. RELEITURA DA OBRA NOITE ESTRELADA DE VICENT VAN GOGH


2. CHAPEUZINHO AMARELO DE CHICO BUARQUE.

3. ROTEIRO DA PEÇA DE TEATRO.
O universo recebe a visita das chapeuzinhos.
Havia passado a hora do almoço quando tocou o telefone.
Do outro lado da linha quem falava era a vovó.
- Alô quem fala?
- Sou eu vovó, a Chapeuzinho.
- Minha querida, estou ligando para saber quando você e suas irmãs vem me visitar, estou com saudades!
- Podemos ir hoje para o café da tarde.
- Combinado, espero vocês!
Então a Chapeuzinho Rosa foi convidar suas irmãs e avisar a mamãe.
- Meninas a vovó ligou, esta com saudades. Então combinei com ela de irmos lá tomar café com bolinhos. Vocês querem ir?
- Sim!!!!
Então a Chapeuzinho Azul diz:
- Mamãe, podemos tomar café com bolinhos na vovó?
- Podem, mas tenham cuidado a floresta é perigosa.
- Tá bom!!!
O caminho era longo e entre muitas árvores e arbustos as meninas viram uma placa. Nela estava escrito: - Não ultrapasse! Local exclusivo para pesquisas sobre e.t´s e o universo.
Chapeuzinho Vermelho e Chapeuzinho Preto e Branco que eram as mais teimosas entraram no lugar proibido e foram raptadas por um e.t., que as teletransportaram para o espaço.
As outras duas irmãs obedientes foram até a casa da vovó avisar que as meninas haviam desobedecido e acabaram sendo raptadas.
- Vovó a Chapeuzinhos foram raptadas por um et.!!!
A vovó muito preocupada ligou imediatamente para a mãe das meninas e contou o que havia ocorrido.
- Minha filha as meninas foram raptadas!! Venha para cá e veremos o que fazer.
- Estou indo!!
Quando a mamãe chegou à casa da vovó elas resolveram ligar para os caçadores pedindo ajuda para salvar as meninas.
- Olá Sr. Caçador aqui quem fala é mãe das Chapeuzinhos, será que o senhor pode passar na floresta pegar o Sr. Lobo e vir ate a casa vovó? É que minhas filhas foram raptadas!Precisamos de ajuda!
- Vou o mais depressa possível!
- Obrigada.
O caçador passou na floresta para chamar o Sr. Lobo e juntos foram até a casa da vovó.
Chegando lá todos conversaram sobre o ocorrido e o Sr. Caçador decidido falou:
- Vamos todos até a floresta salvar as meninas!
Chegando lá, procuraram, procuraram e nada das meninas. Então sem mais nem menos foram teletransportados para o universo.
Na órbita do espaço encontraram-se com a Chapeuzinho Vermelho e a Chapeuzinho Branco.
Junto com elas estava o e.t.
O Lobo, que havia feito pós-graduação em idioma extraterrestre começou a conversar com o e.t.
- ubá luba dabi li
- Entendi!! Esse e.t. não é malvado ele apenas trouxe as meninas para conhecerem o universo. Afinal aqui é sua casa! Ele esta convidando todos nós para ir também!
- Ah, booooom!!
Então todos aceitaram o convite.
O passeio começou pelo Lua. A superfície da Lua é repleta de crateras, formadas durante milhões de anos, após o choque de meteoros.
O Sol é a estrela que se encontra mais próxima de nós, Ele constitui o “centro” do nosso Sistema Solar, em torno do qual giram todos os planetas.
Então foram para mercúrio, o planeta mais próximo do sol e o segundo menor do sistema solar.
Depois para Vênus, o segundo planeta mais próximo do sol e o corpo celeste mais brilhante visto da terra.
Logo veio a terra o terceiro planeta mais próximo do sol, composto por 71% de água.
Marte que é o quarto planeta em distância em relação ao Sol e possui ferro espalhado em toda a sua superfície.
Júpiter é um dos planetas do sistema solar que têm anéis constituídos de partículas de natureza e origem ainda desconhecidas.
Saturno é o sexto planeta do sistema solar. Seus anéis são constituídos por blocos de gelo "sujo" que gravitam em sua órbita.
Urano um dos mais distantes do sol, também possui anéis e uma cor azulada em função da presença do gás metano em sua superfície.
E por fim Netuno que no sistema solar é o mais distante do sol. Netuno possui um fragmentado e pequeno sistema de anéis. São cinco anéis principais.
O sistema solar é uma pequena parte do Universo. Ele é formado pelos planetas e seus satélites, além de numerosos asteroides, meteoritos e cometas. Os planetas giram sempre pelo mesmo caminho ao redor do Sol. Este caminho é órbita do planeta.
Assim todos conheceram um pouco mais sobre o sistema solar e com um salto no universo voltaram para a Terra.
- Foi ótimo!
- Foi demais!
- Hoje eu aprendi muito!
- Foi interessante!
- Adorei!
- Incrível!
- Estou fascinada!
Então o Sr. Lobo falou:
- Eu estou com fome!!!!
Antes que o Lobo resolve-se engolir alguém a vovó falou: Vamos tomar café com bolinhos na minha casa.
E assim termina a visita das Chapeuzinhos ao Universo
 FIM

4. HORA DO CONTO: QUAL O SABOR DA LUA?”
 


 
5. HORA DO CONTO: ”O ASTRONAUTA CÓSMICO”

07/06/12

Sustentabilidade


A sustentabilidade é um teia de relações, as ações de cada um que repercutem na família, e em cadeia na escola, no bairro, na cidade, no país no mundo. Muito se ouve falar nas empresas ecologicamente corretas, que citam suas bem feitorias para atrair clientes preocupados com o planeta. Mas sustentabilidade vai muito além disso, é preciso por em prática novas maneiras de pensar e de agir. Dar o primeiro passo é essencial e nos educadores, podemos contribuir nas mudanças de atitudes dos nossos alunos. E assim no processo de teia de realções esses alunos irão transmitir a familia, amigos e vizinhos as atitudes que aprenderam.


Pequenas atitudes sustentáveis:
  • controle de desperdício de alimentos;
  • consumo consciente de água e luz;
  • separação do lixo;
  • reaproveitamento de resíduos;
  • reciclagem de materiais;
  • descarte adequado de remédios, pilhas, baterias e materias que prejudicam o meio ambiente.

JOGO DA VELHA, BILBOQUÊ E VAI E VEM DE SUCATA:


08/05/12


 


Minha mãe, Minha amiga
(Bruna Karla)
Sempre cuidou de mim
Desde que teu rosto eu vi
Todas as vezes que chorei
Você me ensinou a sorrir
Os meus segredos te contei
O meu coração pude abrir
Nos teus braços eu encontrei
O caminho pra ser feliz
Coro:
Não há palavras para expressar ou descrever
Tudo o que você representa pra mim
Não há conquista que eu não lembre de você
Tudo que sou e tenho devo a ti
Eu quero poder agradecer
Eu quero dizer amo você Mamãe
Sempre cuidou de mim
Desde o dia que eu nasci
Quando sorri me abraçou
No teu colo pude dormir
Sempre cuidarei de ti
Teu carinho quero retribuir
Minha amiga e mãe
Agradeço a DEUS por você existir

"A FAMÍLIA"
TARSILA DO AMARAL



Estamos no mês da mães, mas nem todas as constituições familiares sem formadas por mãe, pai e filho. No mundo atual em que vivemos, as famílias são constituídas das mais diferentes formas. Partindo da observação da obra "A Família" de Tarsila do Amaral, podemos trabalhar as diferentes constituições familiares, debater com as crianças como a família da obra é formada e assim questionar como é a família de nossos alunos é constituída. Em uma releitura da obra, surge a atividade em que o aluno deve reproduzir a sua familia de acordo com o estilo de Tarsila, ou seja, figuras com formas aredondadas e coloridas de cores fortes e vibrantes.
 Podemos  apartir desta obra proporcionar aos alunos o contato com outras obras da autora, como Abaporu, Auto-Retrato, Sol-Poente, O Lago explorando as características de suas obras e as recriando.

28/04/12

Um em cada 4 professores da educação básica não tem graduação

--------------------------------------------------------------------------------


Comentar Aproximidamente 25% dos professores que trabalham nas escolas de educação básica do país não têm diploma de ensino superior. Eles cursaram apenas até o ensino médio ou o antigo curso normal. Os dados são do Censo Escolar de 2011, divulgado neste mês pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

Apesar de ainda existir um enorme contingente de professores que não passou pela universidade ¿ eram mais de 530 mil em 2011 ¿ o quadro apresenta melhora. Em 2007, os profissionais de nível médio eram mais de 30% do total, segundo mostra o censo. Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Roberto Leão, os números são mais um indicativo de que o magistério não é uma carreira atraente. "Isso mostra que as pessoas estão indo lecionar como última opção de carreira profissional. Poucos profissionais bem preparados se dedicam ao magistério por vocação, uma vez que a carreira não aponta para uma boa perspectiva de futuro. Os salários são baixo e as condições de trabalho, ruins", explica.

A maior proporção de profissionais sem formação de nível superior está na educação infantil. Nas salas de aula da creche e pré-escola, eles são 43,1% do total. Nos primeiros anos do ensino fundamental (1º ao 5º ano), 31,8% não têm diploma universitário, percentual que cai para 15,8% nos anos finais (6° ao 9º ano). No ensino médio, os profissionais sem titulação são minoria: apenas 5,9%.

Para a presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Cleuza Repulho, é um "grande equívoco pedagógico" colocar os professores menos preparados para atender as crianças mais novas. "No mundo inteiro, é exatamente o contrário, quem trabalha na primeira infância tem maior titulação. Quando o professor entra na rede, vai para a educação infantil quase como que um 'castigo' porque ela não é considerada importante. Mas, na verdade, se a criança começa bem sua trajetória escolar, as coisas serão bem mais tranquilas lá na frente", afirmou.

Segundo Cleuza, o nível de formação dos professores varia muito nas redes de ensino do País. Enquanto em algumas cidades quase todos os profissionais passaram pela universidade, em outras regiões o percentual de professores que só têm nível médio é superior à média nacional. "Temos, às vezes, uma concentração maior de professores sem titulação em alguns locais do Brasil, como a Região Norte, por exemplo, onde as distâncias e as dificuldades de acesso impedem que o professor melhore sua formação", disse ela.

O resumo técnico do Censo Escolar também destaca que em 2010 havia mais de 380 mil profissionais do magistério matriculados em cursos superiores ¿ metade deles estudava pedagogia. Isso seria um indicativo de que há um esforço da categoria para aprimorar sua formação. Mas o presidente da CNTE ainda considera "muito alto" o número de professores sem diploma universitário, especialmente porque nos últimos anos foram ampliados os estímulos para formação de professores nas instituições públicas e privadas de ensino superior.

Uma das alternativas para quem já atua em sala de aula e quer aprimorar a formação é a modalidade do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para licenciaturas. O programa paga as mensalidades de um curso em faculdade particular e, depois da formatura, o estudante pode abater sua dívida se trabalhar em escolas da rede pública ¿ cada mês em serviço abate 1% do valor.

"Os programas são oferecidos, mas as condições não são dadas aos professores para que eles participem. O professor não tem, por exemplo, a dispensa do trabalho nos dias em que ele precisa assistir às aulas. As prefeituras e governos estaduais, que deveriam ser os primeiros interessados, acabam não estimulando o aprimoramento", disse Roberto Leão.

 Fonte: www.terra.com.br

21/03/12

A Lição do Bambu
Depois de plantada a semente deste incrível arbusto, não se vê nada. Durante 5 anos, todo o crescimento é subterrâneo, invisível a olho nu. Porém, uma maciça e fibrosa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra está sendo construída.
Um escritor americano escreveu:"Muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês: você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento,e, às vezes não vê nada por semanas, meses, ou anos."
Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando, persistindo e nutrindo, o seu quinto ano chegará. Com ele, virão um crescimento e mudanças que você jamais esperava.
O bambu chinês nos ensina que não devemos facilmente desistir de nossos projetos,de nossos sonhos. Devemos lembrar do bambu chinês, para não desistirmos facilmente diante das dificuldades que surgirão.
Tenha sempre dois hábitos:persistência e paciência, pois você merece alcançar todos os sonhos!!!É preciso muita fibra para chegar às alturas e, ao tempo, muita flexibilidade para se curvar ao chão.

15/03/12

Projeto "Uma Releitura..."
O universo recebe a visita de Chapeuzinho Vermelho
Professora Natália
Turno Integral Terceiro ano-turma 2

Justificativa:
O projeto surgiu da união do interesse
das meninas pela história da Chapeuzinho Vermelho e dos meninos pela
curiosidade relacionada aos planetas.
Então visando sanar algumas das
curiosidades e questionamentos dos alunos sobre os dois temas vamos unir,
Chapeuzinho Vermelho e o universo, na criação de uma releitura da obra original
de Charles Perrault.

Objetivo Geral:
Ao final deste projeto pretende-se ter
desenvolvido nos alunos o gosto pela leitura, escrita e dramatização bem como
ter feito com que eles adquiram conhecimentos básicos sobre os planetas.

Objetivos específicos:
- Descobrir e identificar os planetas;
- Despertar o interesse pela
dramatização com a elaboração de uma peça de teatro;
- Classificar os planetas de acordo com
sua distância do sol e suas características mais relevantes;
- Estimular a criatividade através do
uso de argila e massa de modelar;
- Desenvolver o hábito pela leitura,
estimulando o gosto, o conhecimento e a descoberta de curiosidades sobre a obra
literária e os planetas.
- Ampliar o vocabulário e a linguagem
como meio de comunicação através da elaboração de texto individuais.
- Incentivar a expressão oral através da
construção de uma história coletiva com a turma.
- Produzir trabalhos de arte, utilizando
o desenho, pintura, colagem e construção, respeitando o processo de produção e
criação.
- Manusear livros, revistas e portadores
de texto em situações nas quais se façam necessários.
- Perceber e expressar sensações,
sentimentos e pensamentos.
- Explorar técnicas diferenciadas de
desenho e pintura.

Duração:
Março a Junho de 2012.

Atividades:
- Jogos;
- Confecção dos planetas com materiais
diversos;
- Elaboração de uma peça de teatro;
- Texto coletivo;
- Textos individuais;
- Confecção do cenário e figurino para a
apresentação da peça de teatro;
- Criação dos convites para peça;
- Recorte e colagem;
- Confecção de máscaras;
- Murais;
- Trabalho com sucata;
- Pesquisas na biblioteca e em
diferentes recursos tecnológicos.

Buscar

 
Templates Novo Blogger